quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Governo finge não ter medo de manifestações.

As Manifestações Não Se Repetem. Quem Vai...Vai! Fev.2013

Passos coelho foi ontem apertado (em Direito) pelos estudantes, e diz ter gostado.

Às anteriores provas de medo sucedem agora ensaios de arrogância, a que se seguirão o controlo de danos através dos meios de comunicação que controlam.

Se os governantes não dão importância as demonstrações “ordeiras”, que esperam que venha a acontecer?

O medo motiva a arrogância de Passos Coelho. Fev.2013

Se algum ministro levar uma latada de um cidadão, isso não é um comportamento representativo dos que se manifestam pacificamente! Só isso!

Para ver últimos posts clicar em – página inicial

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Um Grillo em Itália. Redes sociais ou televendas.

Nicola Vendola. Fev.2013

Nicola (“Nichi”) Vendola, fundador do SEL (partido; Esquerda, Ecologia e Liberdade) que Beppe Grillo tratou num comício por buson (bichona), definiu bem, ontem, os tempos italianos - ”televendas”.

O fenómeno Grillismo não é das redes sociais, o pivot nasceu na televisão e o “tsunami” fez-se sobretudo pelas televisões; a proposta do M5S de Grillo para “um referendo sobre a concessão dos canais públicos” não será alheia ao apoio televisivo, e por outro lado, a cassete primária da anti-corrupção vende que se farta em Itália.

Para a cassete contribuíram os juízes anti-máfia durante anos e Mário Monti durante o seu falhado governo tecnocrático. Monti e os juízes (António Ingroia nem foi eleito) levaram com o boomerang da demagogia do anti-partidarismo que alimentaram. 

O marketing de Gianroberto Casaleggio, “productor” de Grillo, expropriou a anti-corrupção, marca de sucesso, juntou-lhe um actor popular e um guião estridente de meias e completas verdades mais umas piadas e obscenidades quanto baste. O resultado está à vista; publicidade bem embrulhada e target definido, com acesso aos grandes meios, resulta com Berlusconi como com qualquer outro produto.

O anti-partidarismo como fórmula de democratização é contraditório com a formação do M5S, um partido que fez primárias (?) on-line como se isso o aproximasse da qualquer democracia directa. Unipessoal, personalizado e ditatorial, (expulsou quatro militantes por fazerem declarações na televisão), o M5S não tem nada a ver com os movimentos sociais (de expressão democrática) nascidos na Internet.

Neste momento os eleitos do M5S são tão políticos como os outros, não se sabe porque serão mais honestos que os outros e parece que nem eles sabem o que vão fazer para o Parlamento (pelo que se ouviu da boca deles ontem). 

Beppe quis concorrer à liderança do PD, não conseguiu, agora é contra os partidos. Pode não se concordar com a linha política do Partido Democrático, mas lá todos falam e muitos mais falaram nas primárias que elegeram Luigi Bersani, um processo “hiperdemocrático”, como se diz em Itália - que fazia falta aqui.

Para ver últimos posts clicar em – página inicial







segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Itália. Resultados eleitorais. Projecções 15.00h.

Centro Esquerda vence eleições em Itália
Ganha Parlamento, Senado "ingovernável".
 




primeiras projecções 15.00H
 
Parlamento.Fev 2013
Senado Italiano.Fev.2013

Primeiras projecções dão vitória à esquerda, o ClariNet vai continuar a seguir o evoluir dos resultados. Comentários em seguida.

Duas horas após as primeiras projecções (que não se confirmam); a proximidade entre o centro esquerda, o M5S e o centro esquerda, dizem que, a manter-se essa tendência, não haverá governo com qualquer estabilidade em Itália.

Comentário no próximo post

Sobre as eleições italianas clicar AQUI e AQUI.

Para ver últimos posts clicar em página inicial.

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Eleições Itália. Quem são. Na senda do populismo.

Sondagens Italia. Fev.2013
  Sondagens: clicar na imagem.

Em Itália assiste-se à refundação da política, contra o populismo, o domínio externo e a própria história política conturbada dos últimos 20 anos. Parece uma batalha desigual perante as primeiras páginas italianas dedicadas à comédia política e às pressões da finança internacional.

Depois do desaparecimento dos partidos tradicionais na década de 1990, que dominaram a vida política, o cenário partidário italiano fez-se de coligações com antigos membros desses partidos, distribuídos por uma miríade de organizações. A grande maioria dos protagonistas políticos de hoje em Itália é ex- qualquer partido.

As duas actuais grandes coligações de centro esquerda e centro direita, vêm de outras composições para as legislativas de 2001, período vegetativo (L´Ulivo; La Margherita) de recomposição partidária, e do aparecimento de Berlusconi, subproduto da operação anti-corrupção “mãos limpas” (!).

O CENTRO ESQUERDA: Partido Democrático (PD), esquerda reformista; líder das sondagens, de Pier Luigi Bersani, resulta da fusão (em 2007) dos Democratas de Esquerda (DS) ex-Partido Comunista Italiano (PCI) mais alguns movimentos, com “A Margarida”, (católicos progressistas). Outros movimentos e partidos que fizeram parte de “A União” para as eleições de 2006 (eleito Romano Prodi contra Berlusconi) compõem o PD.

A aliança do PD com a formação Esquerda Ecologia e Liberdade (SEL) de Nichi Vendola, governador de Puglia e ex-dirigente da Refundação Comunista (ex-PCIs) põe entraves a uma hipotética aliança pós eleitoral do PD com Monti.

O CENTRO DIREITA: Povo da Liberdade (PdL), direita, segunda maior coligação nas sondagens, foi fundado em 2009 pela fusão da Forza Italia de Silvio Berlusconi e a Aliança Nacional de Gianfranco Fini, outros pequenas organizações conservadoras, liberais e democratas cristãs aderiram. Foi governo em coligação com a Liga Norte de 2008 até 2011. Apoiou o governo tecnocrático de Mário Monti e tirou-lhe o tapete o ano passado. Berlusconi faz as promessas irrealizáveis do costume.

OUTROS: Movimento 5 Estrelas (M5S), terceira força política nas sondagens, populista e aparentemente radical, é um movimento político que se aproveita de sentimentos anti partidos para eleger políticos. É um partido fraude, uninominal como um Cristo sem apóstolos (normas locais proíbem que militantes se expressem nos meios de comunicação); Beppe Grillo é a única voz pública, é homofóbico e xenófobo, egocêntrico que empresta o logotipo do blogue a quem o venerar. Diz que as ideologias acabaram, aceita os neofascistas da Casa Pound, mescla propostas reacionárias com o que o povo gosta de ouvir. Grillo tem uma visão contabilista e administrativa (neo-liberal) da política, é um Gaspar com os estudos do Relvas. Mas prega bem o moralismo, portanto, o M5S vai dar muitos tachos políticos em nome do combate aos tachos.

CENTRO: O centro é de Mário Monti, o Partido do Centro (UDC) democrata-cristão, de Ferdinando Casini, é o mais antigo e maior partido centrista em Itália, apoia Monti. A formação Escolha Cívica – Monti pela Itália é apoiada por Monti para apoiar Monti, o homem da Goldman Sachs. 

O tecnocrata da União Europeia, onde foi comissário, ainda pode ter um papel em Itália, não pelos votos nele, mas pelos votos que quer os juízes anti-máfia (como António Ingroia) ou Beppe Grillo tiram ao centro-esquerda, (em particular na Lombardia e na Sicília) através da prédica primária anti-corrupção. Um discurso que faz menos sentido agora que em outros tempos, pois as organizações principais têm elementos que combatem ou combateram a máfia ou limparam as hostes. 

Não é certa a vitória de Bersani, a diferença para a direita está dentro dos indecisos, mas não é indiferente para a política europeia e para os países intervencionados, uma mudança em Itália no sentido do reformismo de centro-esquerda.

Para ver últimos posts clicar em – página inicial











quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Manifestação 2 de Março. Próxima meta.

Boaventura Sousa Santos na SIC. Fev.2013
Clicar na foto - SIC

Para Boaventura Sousa Santos a actual contestação “é um sinal do crescente isolamento do governo em relação aos portugueses” (SIC).É visível. Por mais que todos os Mass Media Mafiosi ponham os seus “jornalistas” e comentadores (ou os políticos do regime) contra quem se manifesta, é patente o desagrado geral em Portugal. Com ou sem manifestações o governo perdeu a grande maioria dos portugueses, como é notório por todo o lado.

Boaventura observa que os movimentos sociais em Portugal “nunca foram muito fortes” e que tanto eles como as forças partidárias não estão a responder aos anseios dos mais jovens. Sendo verdade, esses desejos não se saciam no acto da contestação.

As organizações informais de manifestantes funcionam como expressão momentânea do descontentamento, divulgam os sentimentos populares, agregam e ajudam a mobilizar para demonstrações de massa, mas se não têm continuidade  e trazem organização, podem servir substancialmente de escape da tensão social.

Vejo por aí a meta de 2 de Março como se não houvesse 3 de Março; o crescendo de agitação até 2 de Março justifica-se, mas também se justifica que fique algo após essa meta. Ou em 2 de Março há a “explosão social” que leve à demissão do governo, do Cavaco, ou de outro objectivo similar, ou é preciso continuar na rua e continuar a “Cantar as Fevereiras” aos governantes, ao CDS, ao Presidente da República, e talvez ao António José Seguro.

Mas as movimentações produzem efeitos; como diz Boaventura, podem levar até a que haja partidos “que se mobilizem um pouco mais”, por exemplo, “a que o próprio PS, se dê conta que este movimento está a passar à margem do maior partido da oposição” e o leve a “fazer parte da solução e não do problema”.

Temos de estar preparados para um 2 de Março meta final ou meta volante, para a resposta do poder e dos enormes meios à sua disposição, desde logo a totalidade dos Mass Media Mafiosi que controla. Eles vão medir, comparar e relevar dados das manifestações, vão tentar minimizar e controlar danos.

A contrapartida só pode ser mais mobilização e mais organização, mais firmeza na resposta. 

Não se podem dar tréguas – forte contestação até o governo ir embora!

Para ver últimos posts clicar em – página inicial








terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Relvas. Grândola é o 25 de Abril – Estúpido!…

Grândola é o 25 de Abril - Estúpido!... oclarinet.blogspot.com Fev.2013

Às vaias e aos cânticos da Grândola (como estou certo que o Zeca aprovaria este uso do hino…) os governantes têm posto o seu melhor sorriso…amarelo.

Relvas ainda tentou cantar a canção… mas não tem jeito nem teve ensaios, não cursou nem tem equivalência - para o canto. 

Resulta ridículo, mais ridículo ainda - que a fala deste símbolo do governo que todos desligam. Porque será que Relvas não alcança que não gostam dele? Porque será que não tem um amigo que o informe? É penoso!

Aos manifestantes, organizados ou desorganizados, que não tenham canseira nas cordas - não se calem!

Eles, os governantes, são os únicos a não entender que a Grândola - é o 25 de Abril!

Para ver últimos posts clicar em – página inicial





segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Chavez regressa à Venezuela, vivo.

Chavez anunciou no Twiter o regresso à Venezuela.Fev. 2013

Presidente Venezuelano recorre ao Twitter para anunciar que está de volta a Caracas, onde vai prosseguir os tratamentos oncológicos. (Público).

O director – adjunto do Expresso, Nicolau Santos, assumiu no site do semanário, a culpa do “tempo de antena” dado a Artur Baptista da Silva, o falso consultor da ONU.

Se Chávez sobreviveu, por agora, à terrível doença, graças a um qualquer milagre, maior milagre seria ver em qualquer jornal um pedido de desculpas pelas notícias falsas acerca do estado de saúde de Chávez. 

Os meios de informação nacionais deram como confiável as notícias do jornal espanhol ABC, (ver aqui) que “asseguravam estar programado um desligamento” da máquina suporte de vida à qual Chávez estaria ligado. Durante semanas foi feita uma campanha de especulação e desinformação. 

Aqui chegados faltam os pedidos de desculpas aos leitores e telespectadores; Artur Baptista da Silva ainda dizia coisa com coisa sobre economia, enquanto o jornal ABC já era conhecido pelas notícias falsas que veiculava. 

Assim…

Para ver últimos posts clicar em – página inicial






Professores. Semana de luto e luta pela profissão.

Professores. Faixas de Luto no MEC. Fev. 2013

De hoje até sexta-feira decorre a semana de luto dos professores - em luta pela defesa da profissão de professor e da Escola Pública.

As professoras cá de casa não exercem a profissão. A mais velha, pensionista, anda a ser roubada na mensalidade e nos subsídios de férias e de natal, depois de descontar uma vida. A mais nova trabalha para uma empresa de trabalho temporário, fazendo serviço permanente para uma empresa de telecomunicações do PSI 20.

Outros e outras licenciadas em Educação passam pelo mesmo, ou ainda pior – estão sem ganha-pão de qualquer espécie. A paixão pela educação já não é moda na política, a dignidade da profissão de professor é posta em causa todos os dias.

Depois da última manifestação de 26 de Janeiro, esta semana de luta significa que os professores não se vão calar; vão exigir de Nuno Crato que se discuta a Escola; os cortes, a mobilidade especial, os mega-agrupamentos, a situação da profissão e do ensino. 

A luta dos professores é de todos, dos pais, dos alunos, das gerações de crianças de todos os estratos sociais, que se querem com direito ao ensino de qualidade e à qualificação.

Que não se calem.

Para ver últimos posts clicar em – página inicial






sábado, 16 de fevereiro de 2013

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Francisco José Viegas plagiou Beppe Grillo.

Grandola no Parlamento.Fev.2013

Ministério das finanças confirma que a acção de fiscalização aos consumidores foi apenas experimental (Público). Como já é hábito; barro à parede para ver a reacção pública… dá barraca…volta atrás… era só uma experiência. Uns anjinhos.

Já aqui tinha chamado o tema antes de ontem, como muita outra gente noutros lados, mas a acção do ex-responsável pela Cultura neste governo, Francisco José Viegas, deu uma difusão capital à tolice do Fisco (de Passos Coelho).

O “tomar no cú” usado por Viegas, é uma expressão com provas dadas na política, em vários idiomas. 

O que poucos saberão é que o nome do “MoVimento 5 Stella” (cinco estrelas) que está à frente de Mario Monti nas intenções de voto italianas (eleições a 24 e 25 deste mês) tem origem no V de vaffanculo (à letra - vai tomar no cú)

Beppe Grillo, um comediante italiano, agora candidato eleitoral com seu “M5S”, organizou em 2007 as primeiras grandes manifestações anti-corrupção convocadas via redes sociais. Realizadas em várias cidades do país e embaixadas italianas ficou conhecido pelo “Dia Vaffanculo”; ao primeiro V-Day seguiu-se um outro em Turim, o V2-Day, em 2008. Em Itália pegou.

Viegas sabe disto, tem dedo para perceber que tudo o que meta cú é suficientemente popularucho para funcionar; pouco interessa se quer limpar o seu…passado no governo; de resto não ofende, e o Facebook Party está com ele. Foi uma pequena graça.

Mas como dizia um meu amigo da serra algarvia, pequena figura, “tudo o que é pequeno tem graça…menos os pães”! Ora o tempo é de escassez, as manifestações não podem ficar pelo alívio do Facebook Party. 

Há rua amanhã e dia 2 de Março. O resto - vaffanculo.


Outras concentrações AQUI

Para ver últimos posts clicar em – página inicial








quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Eleições Itália. Bersani ou Berlusconi - Monti.

Itália eleições sondagens. Fev.2013
 
Em Portugal quase nada se sabe sobre as importantes eleições em Itália. 
 
À comunicação social (e ao comentário político nos media) custa-lhes olhar para Itália, hoje. No entanto, as alterações políticas previsíveis em Itália terão reflexo relevante na política europeia, particularmente após a vitória de Francois Hollande em França e antecedendo as eleições gerais na Alemanha.
 
Falar em sondagens sem caracterizar as forças políticas presentes não esclarecerá quem não conheça a história política italiana, mas não há forma de falar aqui da Itália política sem ser em fascículos. Luigi Bersani é o líder do Partido Democrático (PD) “centro esquerda”, Mario Monti “centro” e Sílvio Berlusconi “centro direita” são mais conhecidos. Deles e dos partidos, coligações e personagens, quem são e de onde vêm, fica para um próximo post sobre a Itália política contemporânea.
 Italia sondagens.Fev.2013 
 
Todas as sondagens sobre as eleições italianas dos próximos 24 e 25 de Fevereiro, dão, desde sempre, a vitória à esquerda do Partido Democrático; apesar disso, desde 2012 só se ouve falar no confronto Monti- Berlusconi; do jornal Expresso na sua antevisão para 2013 ao último comentário do Prof. Marcelo.
 
Na verdade, Berlusconi não é candidato a liderar o governo de Itália e Monti é candidato ao Senado, sendo já… senador vitalício. Monti e quem o apoia não chegam a terceira força política, ultrapassados pelo Movimento 5 Estrelas, do comediante Beppe Grillo; aqui com 14,3% das intenções de voto contra 12,9 de Monti.
 
As eleições italianas parecem confusas, não são. Resultam de um processo que pode ser exemplo para o que se passa em Portugal, sobre o anti-partidarismo a corrupção política e os movimentos históricos, por um lado; e sobre as medidas de austeridade o empobrecimento e a saída para a crise, por outro.
 
Para já as sondagens, na certeza que o mais importante não será qualquer confronto Monti-Berlusconi - ao contrário do que nos querem fazer crer.


Última sondagem 8 de Fevereiro: legenda

Centrosinistra - Centro esquerda (37,2)

PD/Partito Democrático – 32,2

Sinistra, ecologia e libertá – 3,5

Altri di centro sinistra – 1,5

Centro (12,9)

Udc/ Unione di centro – 3,0

Futuro e libertá – 0,6

Scelta cívica/con Monti per l´ltalia – 9,3

Centrodestra - Centro Direita (29,7)

Pdl /ll popolo della libertá– 22,0

Lega Nord – 5,4

La destra – 1,0

Centrodestra nazionale/Frateli d´ltalia – 1,0

Altri di centrodestra – 0,3

Altri – Outros partidos (20,2)

Movimento 5 Stelle – 14,3

Rivolucione civile – 4,2

Amnistia giustizia e libertá – 0,4

Fare per Fermare il declínio – 1,0

Altri partito – 0,3

Indecisi/Astenuti – 31,2

Mais sobre eleições Itália AQUI

 
Para ver últimos posts clicar em – página inicial









quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Boa. Multar consumidores por não pedir factura.

Novos descobrimentos portugueses.Fev.2013

“Ditosa pátria que tais filhos tens”. Não advém das brumas da memória, nasceu na mioleira dos novíssimos descobridores portugueses. O Fisco espalhou a notícia de que os “consumidores estão obrigados a garantir que lhes seja passada factura no acto da compra” e informou já ter instalado processos pelo incumprimento da obrigação da exigência de factura”.

Acabam de desresponsabilizar, à luz do entendimento popular, os fornecedores e comerciantes da obrigação de passar factura. Muitos já se faziam esquecidos, ou surdos (como escrevi aqui), agora tiraram-lhes o peso de cima.

Com o barulho dos secadores (ou das luzes), com o tilintar dos talheres e o berreiro dos pedidos, não vai ser fácil encontrar algum comerciante - que não queira - a ouvir pedir factura. Então nos postos de combustível (comigo já são dois que passam papelinhos em vez de factura) vai ser uma surdez profunda. 

A DECO diz que “é uma exigência que não faz sentido e dificilmente será implementada” e lembra que “é o prestador de serviços que recebe o nosso dinheiro e que com ele paga os seus impostos”. Pelos trabalhadores dos impostos, o sindicalista Paulo Ralha disse à Lusa; “não temos meios, mas mesmo que os tivéssemos, não temos estatuto legal que nos permita actuar imediatamente”, na prática, disse, “não temos nem competências, nem autoridade para efectuar esses autos”.

Depois temos a situação de quererem fazer de cada cidadão, fiscal das Finanças – e à força. Não é assim que têm a participação das pessoas para combaterem a economia paralela e a evasão fiscal, não é com brutalidade e ameaças. 

Vão descobrir que não é metendo tanta água que chegam a navegadores.

PS. Porque é que nos postos de combustível, e só aí me acontece, depois de passarem um papel sem valor, já não podem fazer a factura?

Para ver últimos posts clicar em – página inicial







terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

A hora é para menos conversa e mais presença.

Texto de Andre Freire - Que Se Lixe a Troika. Fev.2013

Texto de André Freire

Efeitos positivos da crise: o despertar da cidadania para a importância da política

Uma das poucas coisas positivas com a crise económica e financeira internacional, começada em 2008 nos EUA, é que muitas pessoas começaram a despertar para a importância da política e da cidadania. Isso é visível em manifestações, petições, abaixo-assinados, etc., sobretudo nas formas de mobilização que extravasam o controlo das organizações sociopolíticas tradicionais. E foi visível em manifestações como a de 12 de Março de 2011 ou a de 15 de Setembro de 2012, onde era possível encontrar gente de todas as idades e estratos sociais, bem como em iniciativas como as dos Indignados ou de vários grupos e tertúlias para o debate e a (in)formação políticas. Claro: nem tudo são rosas, seja porque será bom «não deitar o bebé fora com a água do banho» (as organizações sociopolíticas tradicionais são ainda os veículos centrais da representação política), seja porque falta muitas vezes capacidade propositiva a estas iniciativas mais inorgânicas, seja porque, por vezes, o criticismo anti-partidos e anti-classe política roça o populismo antidemocrático. Porém, globalmente, diria que o balanço geral é ainda bastante positivo.

66163_218963414895245_2135521813_n[1]

Plenamente de acordo - O ClariNet vai às manifestações convocadas para 16 de Fevereiro e 2 de Março. A todas que possam contribuir para recuperar “as nossas vidas”.

Para já esta:oclarinet.blogspot.com - com a MANIF ponto.Fev.2013 
Outras concentrações (16 Fev.) pelo país (clicar AQUI)

Para ver últimos posts clicar em – página inicial



segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Vítimas de pedofilia comemoram renúncia do Papa

Adeus Ratzinger. Fev.2013

Associações de apoio às vítimas de abusos sexuais, praticadas em instituições católicas, congratularam-se esta segunda – feira pela renúncia do Papa Bento XVI. 
 Survivors Network of those Abused by Priest.Fev. 2013

O outro lado da notícia.
(aqui).
 
Para ver últimos posts clicar em – página inicial



domingo, 10 de fevereiro de 2013

Aos cortes chamam-lhe poupança.

Empenhados. Fev.2013

O corte de 4 mil milhões de euros, a tal “questão acessória” para o porta-voz de sound bites do governo, António Borges, passou a ter uma nova terminologia - lançada pela ligação do FMI ao executivo, o secretário Carlos Moedas.

Em vez de “cortes”, palavra em uso, o dito Moedas passou a chamar-lhe poupança. São “Poupança e não cortes”, afirmou.

Empenhado em poupar 1. Fev 2013 Empenhado em poupar 2.Fev.2013










A emenda está a ser seguida. O jornal Público titulou “Carlos Moedas admite que parte da poupança de 4000 milhões pode ter efeito já este ano” e em subtítulo escreveu “ Conselho de Ministros discutiu cortes na despesa, mas secretário de Estado recusa comentar distribuição das poupanças por áreas.”

Aprendam como funciona o marketing político!

Poupança…!? 

Senhores dos jornais – POUPEM-NOS!

Para ver últimos posts clicar em – página inicial







sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Passos satisfeito com orçamento de cortes europeu.

Cortes nos fundos europeus. Fev.2013

Líderes europeus chegaram a acordo sobre orçamento comunitário. Portugal recebe menos 9,7% do que o actual orçamento.

Em comunicado conjunto “as quatro principais famílias políticas do Parlamento europeu (incluindo o PPE) avisaram os líderes dos 27 que rejeitam o orçamento comunitário.”

Segundo Passos Coelho o corte de quase 10% é um bom resultado.

Depois dos cortes nos fundos europeus temos os cortes de 4.000 milhões em Portugal. 

Até que se corte com isto definitivamente.

Para ver últimos posts clicar em – página inicial





quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Manifestação 16 de Fevereiro. Isto está mesmo mal.

Grande Manif. 16 de Fevereiro. Fev.2013
                                                (ver)

Fotos Manif. Lisboa (clicar aqui)

É oficial, isto está mesmo mal. 

Cada um fala por si, mas julgo que nem mesmo os políticos, incluindo das esquerdas, têm verdadeira noção do alcance dos problemas.

Para se ter uma ideia do estado da economia real, de todos os clientes que me devem dinheiro (o maior, já desde Maio de 2012), nenhum tem ideia de quando vai pagar. Se dissesse quem são e quais os sectores de actividade, o país emigrava todo. Os que pagam não dão para as despesas, como acontece a todos os que encerram a actividade.

Eu estou sem condições para trabalhar, sem idade para me reformar e sem direito a subsídio de desemprego; mais um.

O governo de Passos Coelho, Gaspar & Portas, sabotou a economia portuguesa. Os partidos que se deviam opor têm olhos calculistas nos embates de futuras eleições e sabotam a oposição. 

Para a semana (Dia 16) há uma manifestação nacional – vou. Em Março há mais – vou. Dividir os portugueses que são opositores ao governo, entre os que participam nas demonstrações sindicais e os que só vão a outras iniciativas, tem sido muito útil para Passos Coelho. 

Não é ele que divide para reinar, são os portugueses que se dividem para que ele reine. Tal demonstração de inteligência, da esquerda social portuguesa, está à vista. O governo faz o que quer.

Para ver últimos posts clicar em – página inicial








quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

TGV. Sócrates telefonou a Vítor Gaspar.

TGV arranca governo contradiz-se. Fev. 2013

Governo português obteve a garantia em Bruxelas de financiamento comunitário que permitirá voltar a pôr nos carris o projecto de alta velocidade.

Em 2 de agosto de 2011, o ainda ministro da economia, Álvaro Santos Pereira, gozava com os defensores do TGV qualificando o dito de “comboio modernaço”; em 22 de Março de 2012, o ainda primeiro-ministro Pedro Passos Coelho considerava a recusa da alta velocidade um assunto arrumado.

Que se passou entretanto? O ClariNet sabe, por uma daquelas fontes habitualmente citadas pelos jornais, (deve ser a mesma do Correio da Manhã) que tal contorcionismo se deve a um telefonema de Sócrates, para (convencer) o ministro das Finanças. 

Este, como outros casos anteriores, assinalam como determinante para a instabilidade política nos partidos do arco governativo e para o perigoso investimento público, o saldo do telemóvel de José Sócrates.

Quem diria?

 Para ver últimos posts clicar em – página inicial





terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Fraude do BPN na SIC. Promete mas…

BPN na SIC promete mas...Fev.2013

A SIC diz que tem um programa sobre a fraude do BPN, vamos ver se não é outro engano.

Em 12 de Maio de 2012 escrevi aqui o seguinte:

«Como se devem lembrar, ainda há pouco, a Justiça tinha um grande e insolúvel problema; as “fugas ao segredo de justiça”. O Procurador-Geral da República lamentava-se, pesaroso, de não ter meios para impedir tal situação.

Transcrições de escutas telefónicas apareciam nos jornais e televisões, apesar de estarem em “segredo de justiça”, faxes idem, e-mails idem, memorandos, recibos, notas de cursos e cursos sem notas, etc. Os jornalistas até eram avisados de que fulano ia ser ouvido em interrogatório, o que dava para montar com antecedência a cena da notícia com carros de exteriores.
 
Chegou o caso BPN, e com ele, por artes fantásticas, as fugas terminaram. Por obra de algum picheleiro, spray ou mistela tapa-fugas, tudo agora parece hermeticamente fechado. Nem um sopro de leve aragem é bufado do aparelho de justiça para o aparelho auditivo dos jornalistas. Mesmo quando estoura um petardo como agora este, do ex-dirigente do PSD Duarte Lima, abre-se os jornais e é o silêncio das profundezas.
 
O polvo que Duarte Lima entregou, dizem as notícias, tem muitos tentáculos, envolve personalidades políticas e segundo “fontes judiciais” ouvidas pelo jornal Correio da Manhã, “pode abanar o sistema partidário”. Que o caso BPN abanaria o sistema partidário em qualquer país civilizado, não é notícia.

O que seria notícia era saber-se os nomes dos políticos dos quais a justiça tem provas de envolvimento no caso BPN. Mas desse polvo só temos visto a tinta. Contra tudo o que pescador à linha conhece, é mais fácil encerrar um enorme polvo vivo que meia dúzia de robalos de “aviário” já grelhados».

(A SIC vai dar a notícia?)

Post Scriptum: Visto o 1º capítulo mais parece um press release da Galilei.

Só neste blogue escrevi uma dúzia e meia de posts sobre o BPN. Alguns dos títulos:

Abril 2011- Oliveira e Costa comprou acções da SLN por 2,10 euros e vendeu a Cavaco Silva a 1 euro.

Agosto 2011 - Governo vende BPN ao BIC. Porquê?

Novembro 2011 - A detenção de Duarte Lima é boa notícia sobre a justiça?

Janeiro 2012 – BPN. Supremo condena todos nós a pagar a padres burlados.

Fevereiro de 2012 – Almofada de mais 300 milhões para o BPN.

Abril de 2012 – BPN no Diário de Notícias, promete mas…

Agosto 2012 – Governo não consegue vender bens penhorados pelo BPN.

(Clicar nos títulos a cor)

Para ver últimos posts clicar em – página inicial











segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

António José Seguro está na moda.

Seguro nos jornais e TVs.Fev.2013

Tal foi o susto que António Costa ferrou no país político, da direita troikana à esquerda eleiçoeira, que a comunicação social correu (fugiu) a promover o Tó Zé Seguro. 

É Seguro ao pequeno-almoço, é Seguro a meio da manhã com directos em todos os canais informativos por cabo, é Seguro ao almoço e vai ser Seguro (pelo menos até domingo) a todas as santas horas.

É de meter inveja a qualquer político ávido de microfone (com ou sem pés) ligado às televisões. É de meter pena a forma como Seguro não aproveita o tempo de antena que lhe concedem. A cada pergunta uma resposta seca, a cada reformulação da pergunta, a pressa de dizer que já respondeu, ele ou alguém por ele.

Parece que tem sempre muito que fazer longe dali e mais importante que comunicar com os portugueses. Se é assim na oposição, no governo iriamos esquecer o seu tom de voz. 

Falta - a Seguro - a segurança dos políticos bem preparados, daqueles que não têm receio das perguntas, ou porque têm as respostas ou possuem a astúcia de contornar temas aproveitando para falar no que lhes convém.

Seguro está a passar pelo melhor período de “boa imprensa” desde que está à frente do PS; não pelas suas capacidades, mas apesar delas. É uma simpatia dos média, com prazo e com doseamento a rectificar. 

Na esquerda e direita eleitorais e fundamentalmente nos grandes meios de comunicação/propaganda, a promoção de Seguro e os ataques a António Costa pode rebentar-lhes nas mãos.

Se a propaganda negativa atingir o ponto de impedir a vitória de Costa na Câmara de Lisboa liberta-o definitivamente para tarefas partidárias. 

O melhor é António José Seguro desfrutar as amáveis primeiras páginas - enquanto duram. 

Para ver os últimos posts clicar em – página inicial









domingo, 3 de fevereiro de 2013

sábado, 2 de fevereiro de 2013

PS. Disputa pela liderança.

Com o nariz acima da testa.Jan.2013

Ausente alguns dias (rurais) volto à urbe e a blogar.

Diz-se que o Sebastião da Autoridade da Concorrência se vai embora, e que o Sebastião do Partido Socialista ainda não chegou ou está a chegar. No primeiro caso nunca se deu pela acção da Autoridade da Concorrência, daí que mesmo saindo um Manuel Sebastião continuamos à espera do “Desejado”, com autoridade e independência para lidar com os vários cartéis.  

No Partido Socialista é semelhante, aquilo funciona assim, qualquer coisa é melhor que Passos Coelho, mas com António Costa a liderar era outra coisa.  

Desligado, perdi alguma informação, e também a contra-informação o que é uma vantagem. Do que me chegou pelos canais abertos de TV parece que o “jornalismo” e o “comentarismo” fizeram a festa toda, foguetes, canas etc. Todos confessam não saber as intenções de A.Costa, (antes, durante, após) mas concluem que o actual presidente da Câmara de Lisboa quis tomar o poder no PS e recuou nos intentos.

Dizer isso e qualificá-lo como político experiente é contraditório, o poder no PS não se conquista no Largo do Rato. Costa agitou o PS mantendo o status quo interno, aterrorizou a direita e por arrasto preocupou os partidos à sua esquerda - todo o espectro partidário prefere ir a eleições com António José Seguro como candidato.  

Não são os opositores ao governo nem os eleitores do PS que vão ao Congresso socialista. António Costa não tem tempo, nem teria decerto disposição, para fazer o trabalho de sapa pelas distritais discutindo as divergências que são evidentes, agora chega a todo o partido.

António Costa parou as acusações de deslealdade e impediu que a direcção do PS se visse livre da oposição interna. Para já cortou o passo a Seguro, posicionou-se, está a contar apoios. O que exige sobre a clarificação histórica e estratégica parece difícil de conseguir desta direcção, pelo que há mais hipóteses (agora que antes da crise) de avançar na disputa pela liderança.

Será matéria para os próximos dias.

Como habitual no início do mês os títulos mais lidos no ClariNet no mês anterior.

26/01 – Professores 26 Jan. Dezenas de milhar em manifestação.

02/01 – La Libertá – Giorgio Gaber.

09/01 – Bufos? GNR dá formação a 1708 parceiros civis.

03/01 – Chile. Justiça detém assassinos de Víctor Jara.

20/01 – Alemanha. Baixa Saxónia – CDU de Merkel desce. (6%).

04/01 – Saúde de Chávez complica jornalismo.

18/01 – Guerra do Mali. Mais apontamentos. Al-Qaeda. França.

24/01 – Enganar os mercados é mais fácil que enganar a fome?

14/01 – Travessa do Fala – só. Imagens que valem mil palavras.

17/01 – Guerra do Mali. Apontamentos.

(clicar nos textos a cor para ler os artigos)

Para ver últimos posts clicar em – página inicial