sábado, 22 de junho de 2013

Dilma. 100% dos recursos do petróleo para a educação.

Brasil 100% do Petróleo para Educação. Jun.2013


A presidente do Brasil, Dilma Roussef, falou ao país para elogiar os manifestantes e criticar a violência. Comprometeu-se, a conjuntamente com os poderes das grandes cidades, realizar um grande pacto para a melhoria dos serviços públicos.

Anunciou três medidas imediatas:

- Elaboração do Plano Nacional de Mobilidade Urbana, que privilegie os transportes públicos.

- Destinar 100% dos recursos petrolíferos para a educação. (Proposta de Dilma que está no Congresso desde Abril)

- Trazer milhares de médicos do exterior para ampliar o atendimento do Sistema Único de Saúde.

A presidente vai receber os líderes das manifestações pacíficas e demais representantes das organizações sociais e sindicais, para dialogar e “questionar erros do passado e do presente”.

Dilma falou da renovação do “velho sistema político” e na necessidade de instituições “mais transparentes” e mais resistentes às malfeitorias, salientando que “é a cidadania, e não ao poder económico, quem deve ser ouvido em primeiro lugar”.

Lembrou o passado. “A minha geração lutou muito para que a voz das ruas fosse ouvida. Muitos foram perseguidos, torturados e morreram por isso. A voz das ruas precisa ser ouvida e respeitada; ela não pode ser confundida com o barulho e a truculência de alguns arruaceiros”.

Dilma referiu a “Copa 2014” para dizer que as despesas com os estádios serão pagas pelas empresas e Estados que os exploram e que “jamais permitiria que esses recursos saíssem do orçamento público federal”.

Aos críticos da existência de partidos, Dilma lembrou ser um equívoco entender que os países possam “prescindir de partidos, e sobretudo do voto popular, base de qualquer processo democrático”.

Para ver últimos posts clicar em – página inicial










2 comentários:

Anónimo disse...

A diferença está na indole dos povos. Um povo que se insurge, com o pretexto do aumento do custo dos transportes, para enfrentar e denunciar o sistema de corrupção e exigir mudanças...é completamente diferente de um povo que se deixa sodomizar durante 48 anos por fascistas e depois mais 39 anos por oportunistas e ladrões, sem se levantar do sofá com medo de perder a ultima saída da casa do Big Brother, ou a mais suja roupa da casa dos Segredos. É que o povo português enquanto povo romântico que é gosta que o beijem, como o têm feito os partidos do poder, ...enquanto o defenestram pela retaguarda. Tristes masoquistas que somos.

Paulo César Mesquita, 53 anos, desempregado há 4.

Carlos Mesquita disse...

A luta contra esses aumentos em certos locais do Brasil, como outras lutas, já vem de longe.

Organizam-se para as fazer, não tem segredos. São iniciativas que se tomam localmente, dão o seu trabalho e umas vezes resultam.

A cultura reivindicativa nacional não é muita, os próprios sindicatos têm opositores entre os trabalhadores.

São muitos anos sem democracia e mais uns tantos de divisionismo. Mas há quem lute e isso deve ser valorizado.